terça-feira, 28 de outubro de 2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

E não é que fui ao futebol?!

E se achavam que o blogue era só sobre temas fofinhos, queridinhos e em defesa dos mais vulneráveis desenganem-se.Ontem deu-me para isto:


Pois é, contra todas as expectativas para um domingo de tarde... fui ao futebol! 
Claro, quem me conhece sabe perfeitamente que não morro de amores por futebol, principalmente quando falamos em ver um jogo pela televisão... Agora quando falamos em ir ver um jogo a um campo, in locco, mesmo a sério, isso já é outra coisa.
Até se pode lá chegar impávida e serena, tranquila da vida a pensar que nunca mais começa aquela treta para depressa nos despacharmos... Mas quando o árbitro apita, o jogador dá o pontapé de saída e começa o jogo, meu deus. A adrenalina faz-nos fervilhar! 
Quando damos por nós, estamos a gritar pelos jogadores, a bater palmas, a chamar nomes menos corretos ao árbitro (admito), de pé a esbracejar... Estarmos até aos últimos minutos à espera de um milagroso golo que nos dê a vitória, a bola a voar bem alto, os jogadores desorientados a darem o tudo por tudo para tentar alcançar a vitória, chegarmos ao fim, o árbitro apitar e... nada. Enfim!

Loucuras de:


Primas, pois claro!
Só podia dar nestas aventuras. A minha companheira de viagens mais atribuladas e divertidas. Sem ti não era, de todo, a mesma coisa. É assim, também não vamos ser tão sectários... A verdade é que a tarde acabou nas compras, onde mais poderia ser?! :-)
Mas fica prometido, de quando em vez lá iremos nós ao futebol. E a seguir às compras... As mulheres são assim... Ou pelo menos nós somos e gostamos :)

P.S.: Ainda quanto ao futebol... Existem sempre várias variáveis a analisar durante o mesmo, e mais não digo. ;-)


sábado, 25 de outubro de 2014

"Não decido nada". Pois sim... Mas e depois?

Existem muitas fases nas nossas vidas. 
Passamos por tantas provações, tantos obstáculos, tantas dificuldades... 
É certo que ninguém é igual a ninguém. Ninguém pode dizer "o meu problema é muito maior que o teu". Não é justo. Tudo tem um peso e uma medida. Nada é tão linear. Nada é tão simples de classificar. Todos sentimos as coisas de formas e com intensidades diferentes. Sejam problemas, amorosos, financeiros, laborais, familiares, problemas triviais do dia a dia. Ninguém tem a mesma capacidade de lidar com estes ou retirar o essencial da sua resolução e seguir em frente.
A vida não é fácil. E quem disse que era? Há um tempo para tudo. Há um tempo para refletir, para assimilar problemas, mudanças. Há um tempo para tomar decisões. 
Decisões... Essas coisas parvas que alguém inventou que, não raras as vezes, só nos vêm dificultar ainda mais a vida. Até podemos dizer assim na loucura "Não decido nada". Pois sim... Mas e depois? Continuamos a viver a nossa vidinha como sempre ou andamos a deambular pela rua, pela nossa casa, pelo trabalho, sem destino certo, sem objetivos de vida, sem um sentido. Não. Isto não pode acontecer. Ninguém deve, ninguém se pode resignar a isto. Todos merecemos muito mais. Temos de viver. Temos de dar sentido à nossa existência. Temos de aprender com os erros, com os obstáculos, com as adversidades e seguir em frente. Podemos cometer muitos erros, ou não, mas a verdade é que não podemos estagnar. Não podemos deixar a felicidade passar-nos ao lado. Não podemos viver "num faz de conta". 
E quanto ao que os outros esperam de nós? A maioria das vezes somos sub ou sobrevalorizados. É a realidade. Não é fácil atingirmos as expectativas que cada pessoa detém sobre nós. Por vezes desiludimos, outras surpreendemos pela coisa extraordinária que dissemos ou fizemos. Somos seres humanos, capazes de cometer atrocidades bem como os atos mais fantásticos de sempre. Mas somos humanos. Não nos podem exigir a perfeição. Se fossemos perfeitos valia a pena? Todos os esforços, todas as provações? Claro que não. Não teríamos ninguém que nos pudesse congratular, dizer que estivemos muito bem ou muito mal. Nós precisamos disso para melhorarmos, para enaltecer o que de grandioso há em nós e minimizar os nossos defeitos. Seja para nos tentarmos tornar pessoas melhores, seja para vincarmos a nossa pessoa, com todos os nossos defeitos, feitios e qualidades, claro. 
Não se limitem a responder sim ou não, a virar as costas e fingir que nada aconteceu ou existiu. Confrontem-se a vocês mesmos, sejam mais autocríticos, ajam mais, lutem mais, amem mais, sintam mais. Não somos máquinas, somos pessoas. Não se resignem, nunca!

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Divulgar Amarante com sabores :-)

Minha boa gente, no passado sábado realizou-se em Amarante a I Feira do Cogumelo. 
Esta foi organizada pela Nossa Associação Portuguesa de Cogumelos e constou de demonstrações culturais assim como gastronómicas ao longo do dia, realizadas por grupos locais e pela Escola de Hotelaria do Peso da Régua com o apoio da Casa da Calçada localizada cá em Amarante. 
Para além desta feira que nos maravilhou e contou com a presença de muitos amarantinos e turistas interessados pela nossa cultura, a Associação Portuguesa de Cogumelos - APRC - não ficou por aqui. 
Realizou-se, assim, uma parceria com o Café-Bar Restaurante S. Gonçalo que se repercutiu na criação de uma francesinha de cogumelos deliciosa (comprovada pelo grupo de amigos :-) ) 


E porque o ser humano é um ser insatisfeito por natureza, a saga continua. Desta feita, já neste próximo fim de semana, a Associação irá estar presente como parceira na Rota das Estrelas, na Casa da Calçada. Irão levar, desta forma, o seu produto de eleição para o mundo da alta cozinha, promovendo-o através da versatilidade da sua utilização.


Assim vamos divulgando os nossos produtores, os nossos empreendedores, o que é Nosso! Obrigada a todos os que gostam de Amarante, os que trabalham diariamente para a tornar "maior" e melhor e vamos lá divulgando todas estas parcerias atuais e futuras que nos engrandecem :-)








quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Educação Inclusiva

Hoje já chego numa hora mais tardia, assim como o motivo que me traz cá hoje. Além disto, hoje há mudança de temáticas. Vamos falar de coisas sérias.
Este tema está diretamente relacionado com outro tema atualíssimo: a educação.
A Segurança Social "poupou" 18,6 milhões de euros nos apoios às crianças com necessidades educativas especiais. Houve uma diminuição dos subsídios por educação especial, assim como a bonificação do abono de família para crianças e jovens com deficiência (que podem acumular com aquele subsídio), também registou reduções. 
O facto mais grave no meio disto tudo é que o número de alunos que apresentam necessidades educativas especiais (NEE), a frequentar as escolas regulares nos diferentes graus de ensino, aumentaram. As alterações que o Ministério da Segurança Social efetuou, no que diz respeito aos critérios de elegibilidade para estes apoios (subsídios para a educação especial e bonificação do abono de família) sofreram alterações, deixando milhares de famílias sem direito a estes apoios. 
Estas crianças e jovens poderão ser bastante afetados no futuro por estas "supostas poupanças", pois estes deixam de ter acesso às terapias, agravando problemas na e para a sociedade, problemas estes que poderiam ter sido resolvidos ou minimizados numa idade mais precoce.


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mais que simples mimos

De quando em vez sou mimada... e gosto tanto!
Presentes dados com amor e abençoados por uma força maior :) Veio diretamente de um local onde nunca coloquei os pés mas um dia chego lá! Eu e um dos meus grupos de amigos com o qual já combinei essa viagem há dois anos... Sim, já lá vão dois anos mas nós chegamos lá :)
Quanto ao presente, para quem ainda não tinha percebido, é a pulseira. Uma pulseira maravilhosa, protetora, através de mochos, tartarugas e a árvore da vida, abençoados para me guiar sempre ao longo desta nossa vida :)