terça-feira, 25 de novembro de 2014

À violência diga NÃO!

Neste dia não podemos deixar de lembrar todas as vítimas mortais de violência conjugal. Não podemos esquecer todas as mulheres e homens que são vítimas diariamente deste crime. O mais importante é lembrar-mo-nos todos os dias que este crime existe, atinge muitas pessoas que por vezes conhecemos e fingimos que não sabemos de nada só porque é mais fácil fazer de conta. Basta de hipocrisias, basta de esconder crimes tão graves e que trazem consequências terríveis quer para mulheres, homens e crianças. Por outro lado, chega de pensarmos que é um crime que só atinge mulheres. Também existem muitos homens vítimas que merecem todo o respeito e apoio como qualquer outra vítima. Não esquecendo, por fim, que os agressores também não podem ser deixados ao acaso e limitar-mo-nos a que a justiça se faça. Estes precisam de ajuda, precisam de intervenção. Eu acredito na mudança social e por isso mesmo não podemos reduzir esta problemática só a uma questão de mulheres e vítimas.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Oh Yes I do, of course I do!

Quando alguém se vira para nós e nos pergunta se ainda o queremos.
Depois de tudo o que passámos, tudo o que ultrapassámos, tudo o que vivemos?
A vida dá muitas voltas, é certo, mas há coisas que se mantêm.
I believe in magic!
Yes I do!



E esta música não me sai do ouvido! 
"And if you were to ask me
After all that we've been through
Still believe in magic
Oh yes I do
Oh yes I do
Yes I do
Oh yes I do
Of course I do"***

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Tudo tem o seu tempo.

Ontem, em conversa com uma pessoa que costuma acompanhar o que aqui vai sendo escrito, apercebi-me de uma coisa. Essa pessoa dizia-me que o blogue estava diferente, o meu tipo ou temas de escrita estavam diferentes, que não falava tanto sobre, talvez, sentimentos, vivências, temas mais introspetivos, quer para mim, quer para vocês. Fui para casa a pensar nisso...
Realmente é verdade.
Quando criei o blogue estava numa fase da minha vida completamente diferente da que me encontro neste momento. Tinha outras vivências, outras amizades, outra forma de ver a vida. Basicamente a minha vida era outra. Certo é que o que nos acontece ao longo dos anos molda-nos, faz-nos refletir sobre as nossas atitudes e as nossas escolhas e sobre as consequências que isso nos trouxe. É ou não verdade? Não serei a única pessoa no mundo, nem tão pouco em Portugal, a pensar assim.
Passei de aluna universitária que vivia noutra cidade que não a minha e que tinha rotinas totalmente diferentes,  para rapariga licenciada, à procura de emprego e de regresso à cidade natal. Entre procura de emprego, voluntariado, amizades, amores e desamores e desilusões a vários níveis, mudei. A minha vida mudou. Cresci, e hoje tenho consciência disso. E isso é bom. Felizmente ou infelizmente, as amizades que tinha, várias esvaneceram-se ao longo do tempo. Talvez porque não tinham de ser mantidas. Outras fortaleceram-se, novas surgiram, e que bom que é fazer novas amizades! Durante os últimos anos só tenho de agradecer aos amigos de sempre, aos que estão comigo em todos e qualquer momento, seja nos melhores ou nos piores acontecimentos. Nos entretantos, arranja-se emprego, amores veêm e vão, ganhamos afilhados que nos arrasam o coração  :-), ultrapassamos desafios e dificuldades.
Se me pedirem para fazer um balanço ou um resumo do tempo em que estive afastada do blogue, perdoem-me mas não sou capaz. Aconteceram muitas coisas, nem todas boas nem todas más, mas se há coisa que aprendi com o tempo é que o melhor guardamos para nós. Não me levem a mal, mas prometo que vou partilhando tudo o que puder na altura e fase certas da minha vida e, por enquanto, esta não é uma delas...


quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Formar para Intervir

Este poderia ser o título de uma qualquer formação importante na área da saúde. Mais importante ainda, nesta altura, é falarmos mesmo das I Jornadas do Serviço de Medicina do Novo Hospital de Amarante, referente ao tema “Cuidados de Excelência: Olhar o presente para melhorar o futuro”, que tiveram lugar naquela unidade hospitalar, no dia 17 de Outubro.

É essencial valorizar e apostar na formação de todos os profissionais de saúde e a multidisciplinaridade das equipas de trabalho como um desafio permanente na gestão hospitalar.
Este evento contou com a participação de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, assistentes sociais e outros profissionais de saúde que atentaram às explanações dos oradores.

O “Hospital de Proximidade” e a programação da alta hospitalar foram temas em debate nas jornadas, bem como o doente oncológico e toda a sua envolvência e, ainda, a prevenção do reinternamento dos doentes diabéticos e com problemas respiratórios, que contaram com mais de 130 participantes.



domingo, 2 de novembro de 2014

De babar! E é isto.






De babar. É só o que posso dizer da coleção de Outono/Inverno desta ano. A verdade é que todos os anos a marca Intimissimi me e, se calhar também posso falar por vocês, nos surpreende e não é pela negativa decididamente!
Esta coleção é fabulosa. As peças são sempre super confortáveis, lindas de morrer, enfim, maravilhosas. Desde os conjuntos, aos bodies (grande tendência da estação) fabulosos, à roupa em geral, tudo é fascinante. Não encontro adjetivos suficientes no meu vocabulário para classificar todas aquelas peças. Acho quc podia estar aqui toda a noite a escrever, é uma verdade!
E uma curiosidade fantástica que descobri há pouco tempo?! Além de todas estas maravilhas, a marca ainda tem uma "novidade".
Já venho um bocadinho atrasada a dar a notícia porque a iniciativa já começou no dia 1 de Setembro, mas só termina a 31 de Dezembro do presente ano por isso ainda vamos todos a tempo! Ora então, a iniciativa denomina-se "RECICLAR CONVÉM" e basicamente só temos de pegar nas peças de roupa que já não usamos e leva-las até uma loja Intimissimi. Esta encarrega-se de despachar as peças usadas e em troca, mediante o tipo de roupa, recebemos vouchers paa utilizar em compras que nos vão alegrar imenso os dias e as noites, tenho a certeza. Para se inteirarem disto tudo muito bem podem aceder aqui e tirar todas as dúvidas: Intimissimi Recycling

Boas trocas e compras ;-)

Entre mortos e feridos, alguém há-de sobreviver.

Ora pois então já me sentia a falhar um bocadinho aqui no estaminé. Mas só cá vim para vos falar sobre o dia de ontem.
O dia começou como o de milhares de pessoas por este país fora. A correria aos cemitérios é uma questão enraizada na nossa sociedade. Muitos a farão devido à vontade de homenagear e sentir-se mais próximo dos seus neste dia, mas o que me irrita profundamente (e quando eu digo profundamente é mesmo profundamente meus amigos!) são aquelas pessoas que só põem o pé nos cemitérios uma vez por ano e simplesmente para mostrarem que gastaram um horror em flores e que as suas campas são/estão melhores que as dos "vizinhos". Não que esteja contra gastarem todo o dinheiro do mundo em flores, não... Cada um faz o que quer e bem lhe apetece com as suas fortunas mas "esfrega-lo" na cara das outras pessoas é muito feio. Meus amigos, erámos todos muito mais felizes sem pessoas cínicas como vocês a estragar logo o dia pela manhã.
Mas enfim. Lá se passou a fase mais peculiar do dia com uma conversa entre conhecidos do género "Pah, só nos encontramos quase de ano a ano e é sempre aqui. (...) Se não for antes, até para o ano, e que nos encontremos durante os próximos 50 anos". Há que pensar sempre no lado positivo da coisa, é verdade :) Entretanto, compras e mais compras para alegrar mais o nosso dia e muitos encontros inesperados se sucederam.
 O dia terminou com a visita a um dos sobrinhos emprestados aqui da tia. Entre muitos sorrisos, ternuras e birrinhas claro (não vou negar :-) ), acabámos num lanchinho tardio e numa tentativa de regresso a casa. "Tentativa?" perguntam vocês. E eu, infelizmente tenho de responder que "Sim", tentativa. Não é que chego ao meu adorado carro, e ele não dá uma para a caixa?! Mal o conseguia destrancar, introduzia a chave na ignição e nada de nadinha... Nem sinal de vida. Quase uma da manhã e uma pessoa a passar frio, sem perceber patavina de mecânica e à espera do socorro solicitado. Cheguei a casa, bebi um chazinho para aquecer o corpo e a alma e assim chegamos ao fim deste dia um pouco para o inesperado.
A boa notícia no meio disto tudo: temporariamente o modelo utilizado é preto, familiar e que me alegra tanto quanto o meu vermelhinho :-)