terça-feira, 9 de junho de 2015

Queremos tão mais!

Há dias assim. Dias em que começamos a manhã com todas as dúvidas e mais alguma. Com medo não sabemos bem do quê, com uma ansiedade que parece corroer-nos por cada minuto que passa.
Questionamos tudo e todos. Pensamos se vamos no caminho certo, pensamos no passado, pensamos em tudo o que nos aconteceu, pensamos nos outros. Ah... os outros. A parte mais difícil. Aquela "pequena" parte que nos tenta moldar o pensamento e as atitudes ou será o coração?!
Queremos construir um amor. Um amor sincero, um amor sem reservas, um amor que nos leva a mudar a nossa vida, que nos faça felizes e nos permita fazer os outros felizes. Não é possível apagar o passado, as memórias, as lembranças, mas podemos viver um presente, tentar criar um futuro onde existe tudo isto. Não podemos apagar simplesmente o nosso passado. Ele está cá e, mal ou bem, tornou-nos nas pessoas que hoje somos. Pessoas melhores esperemos. Pessoas mais maduras, que aprenderam com erros, com momentos mais tristes e momentos felizes. Uma vez aprendi que "o amor constrói-se" e acho que foi uma das coisas mais bonitas, sensatas, realistas e verdadeiras que ouvi. O amor não se pode medir. Ninguém ama alguém da mesma forma, com a mesma intensidade no imediato. É preciso tempo. Tempo para nos conhecermos a nós próprios, aos outros, ao "um" que se forma, à relação que se cria com os outros.
A vida é feita de momentos e são esses que nos ficam sempre. Tudo fez sentido em determinado momento das nossas vidas, até ao dia em que percebemos que não queremos ser, estar, ficar assim. Queremos mais. Queremos tão mais! E é nesses momentos em que sofremos, somos felizes, temos paz. Toda uma panóplia de sentimentos contraditórios, mas importantes para o nosso crescimento e para compreendermos que a vida é curta e demasiado importante para ser vivida sempre a pensar nos "ses".
Por isso, vamos todos tentar ser felizes sim? Sem recriminações e sem limites. Medos vamos ter sempre. Medo de tomar as decisões erradas, medo de arriscar, medo de correr mal, mas se nos deixarmos levar pelos nossos medos onde ficamos? No passado? No presente, mas sem viver realmente?! Ninguém pode ser feliz assim. Ninguém se pode deixar arrastar pela vida. Tomem decisões, tomem atitudes, ajam. É só isso que todos devíamos fazer.