quarta-feira, 24 de setembro de 2014

As mulheres são descartáveis?!

Nos últimos tempos, já para não dizer desde sempre, somos bombardeados com problemas da sociedade. Graves problemas, uns mais que outros, diria eu. Entre muitos há um que me inquieta, que me revolta. A liberdade da mulher na hora de escolher entre ser mãe e manter um emprego, ou trabalho, pois infelizmente bem sabemos que é o que estas mais têm neste "país". 
Há pouco tempo fomos bombardeados com notícias sobre mulheres que terão sido incitadas pelas suas entidades patronais a assinar declarações nas quais se comprometiam a engravidar nos próximos cinco anos.Como é possível, em pleno século XXI, estarmos sujeitas, só pelo simples facto de sermos mulheres, a tais atos discriminatórios, redutores e até mesmo me poderei atrever a chamar-lhes ditatoriais, como estes? Onde estão os direitos individuais e da família respeitados e protegidos desta forma? O Governo tem, efetivamente, que atuar de forma urgente e concertante para pôr fim a este crime! Mas não ficamos por aqui. O profissional escolhido pelo Governo para liderar a equipa que irá traçar um plano de ação para a natalidade exalta que Portugal, daqui a 50 anos, encontrar-se-á numa situação insustentável no que diz respeito aos problemas da natalidade. Já não basta todas as limitações sejam sociais, económicas ou outras para se poder ser mãe caso seja essa a nossa vontade, a nossa escolha, ainda temos de ser discriminadas pelas nossas entidades patronais? Não! Claro que não!
Devem apurar-se responsabilidades, realizar ações inspetivas, sensibilizar toda a população feminina que se encontra neste tipo de situação a formalizar denúncias para tentarmos pôr um termo a tal injustiça. E que tal se voltássemos a um regime ditatorial e se nós mulheres ficarmos nos nossos lares a tomar conta da casa e dos filhos enquanto os maridinhos, chefes de família, ganham o dinheirinho e mandam em nós e na casa? Que tal? Parece-lhes bem? Era uma boa ideia não? Colocava-se um ponto final a esta problemática de vez… Não! As mulheres não são descartáveis, assim como não o é o seu direito e a liberdade de escolha de constituir família ou não. Temos direitos que têm de ser respeitados e não abdicamos deles.


Sem comentários: